NBR 16820:2020 – Sinalização de emergência – Parte 2

(Antes de começar a ler este artigo, já leu a Parte 1? Clique aqui para ler a Parte 1!)

A sinalização de emergência faz parte das medidas passivas de prevenção e combate a incêndio e tem seus requisitos especificados na NBR 16820:2020 – Sistemas de sinalização de emergência

Seu uso é fundamental para prevenir situações de incêndio, prover fácil indicação dos equipamentos de combate ao fogo e direcionar toda população do edifício para as saídas de emergência.

A sinalização de emergência pode ser dividida em dois tipos: básica e complementar. A sinalização complementar dá suporte à sinalização básica e é composta por:

  • Mensagens complementares
  • Faixas de cor
  • Indicação de agente extintor
  • Rota continuada e
  • Plano de fuga.

Assim, neste artigo explicaremos sobre cada tipo de sinalização complementar, incluindo requisitos de projetos e situações de aplicação.

Níveis de instalação

Antes de conhecermos os tipos de sinalização complementar, é necessário entender os níveis de instalação. Esses níveis indicam a que distância do piso acabado devem ser instaladas algumas sinalizações. Observe a seguir.

Níveis de instalação

Em planta baixa, o nível de instalação é representado pelo formato do símbolo. Esse símbolo não tem relação com o formato da placa!

Níveis de instalação em planta baixa

Tipos de sinalização

Mensagens complementares

De acordo com a NBR 16820:2020, são mensagens escritas em sinalizações com o objetivo de orientar em situações de risco específico ou para o uso de determinados equipamentos. Tais mensagens devem estar escritas em Português-BR, obrigatoriamente. 

Em determinadas situações, como em aeroportos, estádios e eventos, pode ser necessário usar um segundo idioma para atender aos usuários da edificação. Nesses casos, o outro idioma é adicionado ao PT-BR.

Alguns exemplos de mensagens complementares são apresentados pela norma técnica, como a indicação dos sistemas de combate a incêndio presentes na edificação e a lotação máxima – bastante comum em locais de reunião de público (cinemas, teatros etc). Essas mensagens são instaladas em nível intermediário.

Tabela de mensagens complementares

Indicação de obstáculos

É utilizado esse tipo de sinalização para alertar ao usuário sobre os riscos e obstáculos presentes nas rotas de fuga, como pilares, arestas de paredes e vigas.

Os obstáculos presentes ao longo das rotas de saída devem ser sinalizados por meio de uma faixa contínua de largura mínima de 100 mm, constituída de listras inclinadas a 45º e com largura mínima de 50% da largura da faixa.

Em ambientes externos ou internos, iluminados naturalmente, utilizam-se faixas amarelas e pretas. Já em ambientes com iluminação artificial, utilizam-se faixas vermelhas e fotoluminescentes, conforme as figuras abaixo.

Indicação de obstáculos - faixa amarela e preta
Indicação de obstáculos - faixa vermelha e fotoluminescente

As situações nas quais devemos utilizar a sinalização para indicação de obstáculos são:

  • desnível de piso;
  • rebaixo de teto;
  • outras saliências resultantes de elementos construtivos ou equipamentos que reduzam a largura das rotas ou impeçam seu uso;
  • sempre que não for viável a sinalização nos próprios obstáculos, deve ser aplicada a sinalização diretamente no piso acabado, identificando o contorno do obstáculo.

A sinalização de indicação de obstáculos deve ser instalada horizontalmente por toda a extensão do obstáculo e, em obstáculos verticais, a uma altura de 0,50 m do piso acabado com um comprimento mínimo de 1 m.

Essa sinalização deve ser instalada em todas as faces expostas, com largura mínima de 0,10 m em cada face.

Sinalização de obstáculos instalada horizontalmente

Devem-se sinalizar também elementos translúcidos ou transparentes (vidro, acrílico etc) usados para o fechamento de vãos (portas, painéis e divisórias) que fazem parte da rota de saída.

Para essa indicação utiliza-se uma tarja em cor contrastante com o ambiente, com largura mínima de 50 mm, aplicada horizontalmente em toda extensão do elemento, entre a altura de 1,00 m e 1,40 m do piso acabado.

Sinalização de obstáculos instalada horizontalmente

Sinalização de agente extintor

Essa sinalização indica o tipo de agente extintor e suas aplicações. Ela deve possuir leiaute representado conforme tabela a seguir e com medida mínima de 20 x 8 cm.

Tabela de sinalizações de agente extintor

Deve-se atentar também às letras de indicação do agente extintor (no cabeçalho) que devem ter altura mínima de 6 mm e as demais letras, de 2,5 mm. Quanto ao número do equipamento, é opcional.

Conforme menciona a tabela acima, a sinalização de agente extintor pode ser instalada em nível intermediário e localizada imediatamente acima do equipamento extintor, observando os seguintes detalhes:

  • deve ser aplicada em complemento a sinalização de extintor de incêndio nos locais onde há riscos ao usuário em caso de uso incorreto, por exemplo, extintores de água próximos a equipamentos energizados;
  • indicação por meio de símbolos e textos das classes de fogo para o qual o extintor é recomendado ou não recomendado;
  • tipo do agente extintor, conforme o equipamento extintor sinalizado.
Tipo do agente extintor, conforme o equipamento extintor sinalizado

Rota continuada

Segundo a NBR 16820:2020, a sinalização de rota continuada tem o objetivo de indicar de maneira exata o caminho seguro para evacuação em rotas de fuga durante situações de emergência. Essa sinalização é instalada próxima ou junto ao piso em corredores, passagens, escadas etc, indicando o caminho e possíveis ações a serem tomadas.

Conforme as recomendações da norma, a sinalização das rotas continuadas é obrigatória para “edificações com população circulante superior a 100 pessoas por pavimento ou em edificações com população total superior a 1.000 pessoas”. A sinalização deve ser fotoluminescente e permitir a visualização dos limites laterais em qualquer situação de emergência.

Instalação da rota continuada

A simbologia é idêntica à sinalização de orientação das rotas de fuga, mas com placas com altura de 25 cm com borda superior a, no máximo, 50 cm do piso acabado e espaçadas em até 3 m. Caso existam equipamentos de combate a incêndio na rota, a linha de rota continuada deve conter também a simbologia indicativa do equipamento.

Em relação à instalação da simbologia de rotas continuadas, a NBR 16820:2020 define dois casos, de acordo com a largura do corredor. Se esta largura for de até 2 m, apenas uma linha é necessária, no piso ou na parede. 

Caso a largura seja superior a 2 m, são necessárias duas linhas, devendo ser ambas na parede ou ambas no piso. Se a instalação for realizada nos pisos, a simbologia pode ser substituída pelas setas indicativas de fluxo (brancas em fundo verde).

Sinalização indicativa de fluxo

No caso da instalação em escadas, é obrigatório instalar a sinalização em uma das paredes e indicar o limite do degrau com tarja fotoluminescente de 30 x 70 mm em ambas as extremidades, nos dois sentidos de caminhamento. No primeiro e no último degrau, a indicação de limite do degrau deve ocupar toda a largura.

Sinalização de rotas de fuga em escadas

É importante atentar à instalação da sinalização de rota continuada em portas! Se a porta obstruir a passagem dos usuários, a linha de sinalização deve contorná-la. Se a porta fizer parte da rota, a sinalização deve continuar até seu batente.

Outros obstáculos também podem obstruir a visualização da linha: não tem problema! Nesses casos, a linha pode ser interrompida por até 2 m, desde que o início e o fim da interrupção esteja demarcado com seta indicativa de fluxo.

Plano de fuga

O plano de fuga deve ser instalado em locais estratégicos com objetivo de orientar, informar e instruir o usuário da edificação para os procedimentos adotados em situações de emergência. 

É considerado uma sinalização complementar a de orientação e salvamento, devendo conter apenas as informações principais que auxiliarão na ação da fuga.

Deve ser fixado permanentemente em locais proeminentes da edificação e/ou em pontos estratégicos da rota de fuga: 

  • Em cada pavimento, nos acessos a este;
  • Próximo a escadas e elevadores;
  • Em cada apartamento, em edifícios com unidades individuais;
  • Em áreas, salas que recebem público diversificado;
  • Em junções, interseções presentes nas rotas de fuga.

O que deve compor o plano de fuga?

  • Instruções sobre ações a serem tomadas durante uma emergência e manuais de emergência;
  • Planta da área em que está localizado o plano;
  • Identificação de todas as rotas de fuga;
  • Caminho, em destaque, que os ocupantes devem percorrer durante a fuga;
  • Localização de todos os equipamentos de combate a incêndio e alarmes;
  • Localização de todos os equipamentos de emergência de auxílio à abandono;
  • Localização de áreas de refúgio e pontos de descanso ou encontro durante o abandono;
  • Posição atual do usuário;
  • Informações simplificadas sobre o entorno do edifício (ruas, outras edificações etc);
  • Qualquer instalação destinada especificamente a deficientes;
  • Informações gerais: nome do prédio, do responsável, identificação da área ou pavimento etc.
  • Legenda para cada uma das figuras e cores usadas.
Plano de fuga
Cores de plano de fuga
Simbologias
Simbologias

Quais devem ser as dimensões do plano de fuga?

Pode ser reduzido para 210×297 mm (tamanho A4) e os textos devem ser legíveis à distância para qual o plano de fuga está destinado a ser lido, sendo que a altura mínima das letras deve ser de 2 mm.

A altura mínima dos caracteres do título deve ser de no mínimo 7% da menor dimensão do plano inteiro e a altura mínima dos sinais representados deve ser de 5 mm.

Além disso, deve-se atentar às espessuras das linhas usadas para a representação do plano de fuga! O traço das paredes externas deve ter 1,6 mm e das paredes internas deve ter 0,6 mm. A representação de escadas e rampas deve possuir espessura de 0,15 mm.


Além das sinalizações básicas, é muito importante também conhecer as sinalizações complementares para garantir a segurança dos usuários! Juntas, colaboram para a formação de um plano seguro e adequado às características da edificação.

Tem alguma dúvida? Alguma crítica construtiva? Pode falar com a gente aqui, por email ou em nossas redes sociais!

Para ler mais!

  1. NBR 16820:2020 – Sistemas de sinalização de emergência – projeto, requisitos e métodos de ensaio
  2. NBR 16820:2020 – Sinalização de emergência – Parte 1 – Canteiro de Engenharia
  3. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO E PÂNICO: Parte 1
  4. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO E PÂNICO: Parte 2 

2 comentários sobre “NBR 16820:2020 – Sinalização de emergência – Parte 2

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.