Fôrmas para concreto: características e execução

O sistema de fôrmas é responsável por dar forma à estrutura de concreto armado e sustentá-la até que ganhe resistência, sem que haja prejuízo no seu formato, função, aparência e durabilidade. 

Apesar de invisível após o término da construção, é um sistema de alta importância e que custa cerca de 10% do total de uma obra com estruturas em concreto armado moldado in loco.

Seus componentes compreendem a fôrma em si (função de molde), mas também o escoramento, o cimbramento e os andaimes, incluindo seus apoios e uniões entre seus diversos elementos.

Esse sistema deve ser projetado de modo a resistir:

  • à ação de fatores ambientais (vento, sol e chuva, caso haja exposição);
  • à carga da estrutura auxiliar (o próprio sistema de fôrmas);
  • à carga da estrutura permanente (até que concreto atinja resistência de projeto);
  • aos efeitos dinâmicos acidentais produzidos pelo lançamento e adensamento do concreto e;
  • à redistribuição de cargas originadas durante a protensão.

Além disso, deve ter rigidez suficiente para assegurar que as tolerâncias dimensionais – exigidas pela NBR 14931:2004 – e especificações de projeto sejam satisfeitas e a integridade dos elementos estruturais não seja afetada.

Assim, o sistema deve ser projetado e construído de modo a atender a esses requisitos e às prescrições das NBR 7190 e NBR 8800, respectivamente, quando se tratar de estruturas de madeira ou metálicas. 

Este artigo abordará sobre o procedimento executivo do sistema de montagem e desmontagem de fôrmas, bem como materiais, elementos constituintes e escoramentos.

Materiais

Alguns dos materiais usados para o sistema de fôrmas são: madeira, aço, plástico, papelão e alvenaria (fôrma perdida).

Além disso, o uso adequado desse sistema permite o reaproveitamento de fôrmas (exceto a de alvenaria, que é incorporada à construção) e dos materiais utilizados para sua construção. Nesse caso, em cada utilização sucessiva devem ser verificadas suas características e sua capacidade resistente.

Outro material importante nesse sistema é o desmoldante, apresentado no aspecto líquido e que forma uma fina camada entre o concreto e a fôrma. 

Mas, pra que serve? Essa fina camada impede a aderência entre o concreto e a fôrma, e torna fácil a remoção das fôrmas sem danificar as superfícies e arestas do concreto, além de conservar o molde e diminuir o trabalho de limpeza.

Aplicação de desmoldante em fôrma de laje.

Elementos estruturantes

Esses elementos devem ser dispostos de modo a manter o formato e a posição da fôrma durante toda sua utilização.

A fôrma é constituída pelo molde e pelos elementos estruturantes. O molde serve para dar ao concreto fresco a geometria desejada. Os elementos estruturantes, por sua vez, dão sustentação e travamento ao molde, garantindo que não se deforme. 

As ilustrações abaixo apresentam esses elementos em pilar, viga e laje, respectivamente.

Elementos estruturantes em fôrmas de pilares.
Elementos estruturantes de fôrmas de lajes e vigas.
Elementos estruturantes de fôrmas de lajes.

Armazenamento

Fôrmas empilhadas.

O armazenamento dos elementos constituintes das fôrmas para concreto exige cuidados para evitar danos que impossibilitem seu uso.

Os painéis devem ser empilhados face a face, em posição horizontal, ou verticalmente, desde que possam ser identificados (pintando-se números, por exemplo). 

Do mesmo modo, placas e sarrafos utilizados para reforço precisam ser enumerados e empilhados junto aos painéis correspondentes. 

Quando as fôrmas para concreto não forem utilizadas imediatamente, essas devem ser cobertas com lonas plásticas para evitar seu empenamento por conta de rápidas perdas de umidade.

Outros elementos como gravatas e cunhas poderão ser guardados em estoque regular.

Os componentes de maior porte, como grampos e reforços metálicos devem ser armazenados distantes do solo para evitar que se cubram com lama e enferrujem.

Procedimento executivo de montagem

Embora as fôrmas sejam utilizadas para a maioria das estruturas de concreto moldadas in loco, o artigo irá focar na montagem das fôrmas para a superestrutura – pilares, vigas e lajes.

Antes de iniciar qualquer processo, é essencial verificar se a fôrma está suficientemente estanque, de modo a impedir a perda de pasta de cimento, admitindo-se como limite a surgência do agregado miúdo da superfície do concreto. A estanqueidade também é importante para assegurar a hidratação correta do concreto.

Pilares

Para os pilares, o primeiro passo é desgastar – vulgo “apicoar” – o concreto da base do pilar a ser executado e posicionar o engastalho (ou gastalho) – as duas tábuas de madeiras planas sobre a laje. Sobre o gastalho, então, são fixados pontaletes para guiar e travar os painéis de face do pilar.

Detalhe de forma de pilar.

Antes do posicionamento das fôrmas de face, caso não seja a primeira utilização, é importante aplicar o desmoldante sobre a parte interna, para facilitar a remoção posterior sem danificar o concreto endurecido.

Então, as fôrmas de face devem ser posicionadas uma a uma, deixando uma face livre para posterior posicionamento das armaduras. Após a montagem das faces, deve-se pregá-las no pontalete guia, que é localizado no topo do pilar. Com a fixação concluída, é essencial verificar o prumo de cada uma das faces, para garantir que não há desvios em relação à base.

Se necessário, o prumo do pilar deve ser corrigido por meio de ajustes nas escoras laterais de cada face. Esse ajuste pode ser realizado por cunhas, por exemplo, no caso de a escora não ser regulável.

Outro ponto importante refere-se à altura do pilar: caso seja maior que 2 metros, devem ser feitas janelas na fôrma para realizar o lançamento em duas etapas. Esse procedimento é fundamental para evitar a desagregação do concreto e, por consequência, a formação de ninhos de pedra.

Então, atravessando faces opostas, são posicionados tubos de PVC rígido que atravessam o pilar. Nesses tubos, são inseridos os ferros de amarração (tirantes ou tensores), que ajudam a garantir a fixação das fôrmas de face após o lançamento do concreto.

Tensores em elementos de concreto.
Tensores em fôrma de elemento de concreto.
Detalhe de estrutura de concreto após retirada de fôrmas.
Estrutura de concreto após desforma e retirada dos tensores.

Vigas

Montadas todas as faces do pilar, inicia-se a montagem das fôrmas das vigas. A montagem desse elemento inicia-se pela fôrma de fundo, que é posicionada sobre o topo dos pilares e apoiada sobre os ou pontaletes. Os pontaletes seguintes são posicionados e nivelados com os anteriores, para então montar o restante das fôrmas de fundo da viga.

Em seguida, os painéis laterais de fôrmas são posicionados e alinhados, garantindo-se o prumo e nivelamento por toda a viga por meio das gravatas e tensores. Ao fim do processo, deve ser verificado o alinhamento de todos os pontaletes, para garantir que não há desníveis. Caso necessário, as correções podem ser feitas por meio de cunha ou da regulagem das escoras.

Lajes

No caso das lajes, a montagem da fôrma se inicia pela colocação das escoras de madeira ou metálicas, garfos (ou pontaletes) ou torres metálicas que darão suporte às guias e travessões. As guias próximas às vigas necessitam ter suas extremidades apoiadas em sarrafos pregados no garfo da escora. 

O lançamento dos painéis de assoalho da laje deve ser executado sobre os travessões  conforme disposição descrita em projeto. Uma dica interessante é realizar a pintura da posição das paredes no assoalho da laje, a fim de facilitar a locação das tubulações elétricas e hidráulicas.

O encontro entre o assoalho da laje e os painéis laterais das vigas não devem possuir folga, evitando a perda de pasta de cimento durante a concretagem.

O nivelamento da laje é realizado ajustando-se a altura das escoras por meio de cunhas e através do uso de escoras telescópicas. Com isso, a conferência desse nivelamento pode ser realizada com nível de bolha ou aparelho a laser e linha de nylon.

Retirada de fôrma e escoramento

Execução da desforma

Em geral, recomenda-se a retirada das fôrmas para concreto quando esse já passou pelo processo de cura e, além disso, deve-se sempre seguir o plano de desforma presente no projeto estrutural.

A desforma se inicia pela retirada dos tensores e outros elementos estruturantes. Na retirada dos painéis deve-se evitar o uso de alavancas (pé-de-cabra), sendo mais aconselhável o uso de cunhas de madeira.

O manuseio das fôrmas deve ser o mais cuidadoso possível para não danificar os seus elementos constituintes.

As fôrmas de madeira precisam ser limpas imediatamente após o seu uso. A limpeza pode ser feita com uma escova de piaçaba, para eliminar argamassa endurecida que tenha aderido à superfície do painel. Além da argamassa, o desmoldante também necessita ser totalmente retirado após a desforma, caso esse seja empregado. 


Ainda que, na maioria dos casos, o cliente final não veja as fôrmas, estas são indispensáveis para a etapa estrutural da obra. As fôrmas garantem que os elementos de concreto tenham as dimensões físicas exigidas para o sistema estrutural adotado, além de assegurar uma das características essenciais para qualquer estrutura de concreto armado: o cobrimento.

Sendo assim, preste bastante atenção na execução desta etapa fundamental e evite o surgimento de diversas manifestações patológicas na edificação!

Ficou alguma dúvida? Pode falar com a gente!

Para ler mais!

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS –  ABNT. NBR 14931 – Execução de estruturas de concreto – procedimento. Rio de Janeiro, 200.

YAZIGI, W. A técnica de edificar. 10. ed. São Paulo: Pini: SindusCon, 2009.

2 comentários sobre “Fôrmas para concreto: características e execução

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.