CIÊNCIA, PESQUISA E ENGENHARIA!

A palavra ciência vem do latim “scientia”, que significa conhecimento e sua função é usar teorias para adquirir novas capacidades e, em particular, desenvolver novas tecnologias.

O dia Nacional da Ciência e do Pesquisador, 8 de julho, foi criado no Brasil com o intuito de incentivar a realização da pesquisa aplicada, da produção cultural, do empreendedorismo, do cooperativismo e do desenvolvimento científico e tecnológico no país. 

A ciência tem papel fundamental na compreensão da natureza, do homem e de suas interações e, atualmente, possuímos cientistas nas diversas áreas do conhecimento, contribuindo de forma significativa para a transformação do mundo em que vivemos. 

Entre essas áreas temos a Engenharia Civil. Esta, por sua vez, integra uma área de conhecimento bastante diversificada, a qual engloba a concepção, o projeto, a construção e a  manutenção de todos os tipos de infraestrutura necessários ao bem estar e ao desenvolvimento da sociedade, além da preservação do ambiente natural. 

Para que todas essas etapas se realizem de modo eficiente (custo, desempenho e durabilidade) é indispensável o desenvolvimento de novas tecnologias, o maior conhecimento acerca dos materiais e métodos construtivos, o gerenciamento otimizado de obras e o compromisso com a redução de impactos ao meio ambiente.

Assim, é de suma importância o papel da ciência e do pesquisador na transformação, ainda que lenta, das diversas áreas da Engenharia Civil: construção civil, estradas e transportes, geotecnia, saneamento ambiental, projetos, estruturas, materiais de construção e recursos hídricos. 

Desse modo, trouxemos alguns depoimentos que buscam inspirar e mostrar a importância da pesquisa em cada uma dessas áreas de atuação na Engenharia Civil.


“O curso de engenharia civil sempre se apresentou como prático e aplicado. Essa abordagem acabou, erroneamente, afastando as atividades de pesquisa do nosso curso. Felizmente esta mentalidade tem mudado de forma rápida e hoje entendemos que é possível e necessário vincular pesquisa e construção.

Esta abordagem é fundamental para que o ato de construir deixe de ser artesanal e passe a ser industrial. Desta forma é possível fazer engenharia em sua essência, com eficiência, custos baixos, pouco desperdício e baixo impacto ao meio ambiente.”

Foto do Prof. Dr. Daniel Moureira Fontes Lima, segurando uma caneca ilustrada pelo personagem Finn.

Daniel Moureira Fontes Lima

Professor do Departamento de Engenharia Civil da UFS, na área de Saneamento e Meio Ambiente. Engenheiro Civil pela UFS em 2008, Mestre (2011) e Doutor (2015) em Engenharia Hidráulica e Saneamento pela Escola de Engenharia de São Carlos. 


“Como pesquisadora, minha área de atuação é a gestão da produção aplicada à construção civil, onde desenvolvo pesquisas, juntamente com alunos de graduação, pós-graduação e professores. Nas pesquisas estudamos teorias e aplicamos ferramentas e softwares para que os problemas identificados na prática tenham solução tanto para quem constrói como para a sociedade, em termos de qualidade de vida, custo e velocidade de produção.

Meu papel é contribuir para a sociedade com teorias que levam a um produto com melhor desempenho e para a formação científica de jovens pesquisadores, que somados a tantos outros também contribuem para o desenvolvimento do país carente de soluções para problemas do cotidiano, por meio de aplicação de conhecimentos científico-tecnológico.”

Prof. Dr. Débora de Gois Santos, usando um vestido florido em um dia ensolarado.

Débora de Gois Santos

Professora do Departamento de Engenharia Civil da UFS, na área de Construção Civil. Engenheira Civil pela UFS em 1998, Mestre em Engenharia Civil (2000) e Doutora em Engenharia de Produção (2004) pela UFSC.


A humanidade sempre buscou realizar obras grandiosas e de design complexo. A fim de alcançar esses objetivos sempre foi necessária a busca por novos materiais e técnicas de construção que assim os permitissem. Desta forma, cabe ao Engenheiro Estrutural entender o comportamento interno dos elementos e realizar diversos testes e ensaios para a análise de diferentes materiais e até através da mecânica computacional, na busca de obter uma aproximação da realidade através da modelagem.

Assim, os estudos permitem compreender, por exemplo, a influência de fatores externos nas estruturas, como o caso de forças dinâmicas as relacionando ao conforto dos usuários. Ou a comparação da fissuração de elementos, sejam eles comuns ou com adição de novos materiais, a fim de obter estruturas mais eficientes. E que, por sua vez, essa eficiência pode ser realizada através de análises de otimização, determinando melhores dimensões, quantidades e posições dos materiais utilizados.”

Eng. Rafael Nunes da Cunha, em traje social.

Rafael Nunes da Cunha

Engenheiro Civil pela UFS em 2019. Mestrando em Engenharia Civil na área de Sistemas Estruturais,  pelo Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil da UFS.


“A Engenharia Geotécnica é uma área com características bastante peculiares. Solos e rochas são materiais heterogêneos, criados pela ação da natureza. A maneira como eles foram formados, se comportam e interagem com os demais agentes ambientais é única para cada local de estudo. Dentro desse contexto, o pesquisador possui um papel fundamental, afinal, é ele que dispõe do conhecimento técnico e da capacidade criativa que permitem definir as soluções mais adequadas para cada problema em particular.

Como pesquisadora da área, acredito que é importante estar sempre atualizada e contribuir com pesquisas que sejam relevantes não só para a comunidade acadêmica, mas que possuam também aplicações práticas e levem em conta os interesses da sociedade bem como a preocupação com o meio ambiente.”

Eng. Msc. Letícia Menezes Santos Sá, usando capacete de proteção, apoiada sobre um guarda-corpo.

Letícia Menezes Santos Sá

Engenheira Civil pela UFS em 2016. Mestre em Engenharia Geotécnica e de Pavimentos pela UFS em 2019.


“A água é um recurso natural necessário para a sobrevivência de diversos seres vivos, incluindo nós, humanos. Por isso, é necessário aprimorarmos o gerenciamento desse nosso bem tão valioso, que se encontra cada vez mais escasso. Então, o pesquisador de Engenharia Hidráulica busca estudar novas soluções para garantir a todos o acesso à água, de forma eficiente e sustentável.

Atualmente, desenvolvo uma pesquisa de Mestrado na USP, com o objetivo de construir instrumentos de medição de vazão de baixo custo. É gratificante imaginar que estou contribuindo para o desenvolvimento da ciência e tecnologia do meu país e que minha pesquisa poderá ajudar a melhorar, indiretamente, a qualidade de vida de diversas pessoas.”

Eng. Yuri Batista Ishizawa, realizado medição de vazão em um corpo hídrico.

Yuri Batista Ishizawa

Engenheiro Civil pela UFS em 2019. Mestrando em Engenharia Hidráulica e Saneamento pela Escola de Engenharia de São Carlos.


Por fim, gostaríamos de agradecer a todos que se dispuseram a colaborar com seus depoimentos, obrigado a todos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.